Sistema Energia Solar

Energia Solar – Sistema on grid ou off grid

Um sistema fotovoltaico (on grid) , é conectada direto à rede elétrica de geração de energia da concessionária, consiste em equipamentos composto por placas solares fotovoltaicas, inversores de frequência, painéis string box e conectores MC4. Podem ser instalados em residência, comercio ou indústria. Suas vantagens são que quando conectada à rede irá reduzir a conta de energia, uma vez que é possível creditar a energia excedente produzida para o fornecedor de eletricidade local conforme Resolução normativa da ANEEL sob numero 482/12, obtendo uma compensação no valor de sua fatura de energia da concessionária local. Este sistema é mais fácil de instalar por não exigir um sistema de bateria. Já o sistema Off grid de energia solar, semelhante ao on grid, porem se faz necessário a instalação de baterias estacionária. Um outro modelo é o sistema independente da rede energia da concessionária local.

Vantagens de utilizar energia solar:

  • A energia solar é totalmente renovável.
  • A energia solar é infinita.
  • Não polui.
  • Manutenção mínima.
  • Baixo custo considerado a vida útil de um sistema fotovoltaico.
  • Fácil de instalar.
  • Pode ser usado em áreas remotas onde não existe energia.

 

Sobre a Resolução 482/12

Sobre a Resolução 482 Geração e Distribuição de energia elétrica Renovável

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica

  • Criada para “Proporcionar condições favoráveis que o mercado de energia elétrica se desenvolva com equilíbrio entre os agentes e em benefícios da sociedade”.
  • Compete à ANEEL, fundamentalmente, exercer a regulação e fiscalização sobre a geração, comercialização e distribuição elétrica, buscando harmonizar os interesses do Estado, dos agentes e consumidores.

 

Micro e Minigeração distribuída RES 482

Quebra de Paradigma sobre Energia Solar

  • Torna a grande maioria dos consumidores de energia elétrica no Brasil habilitados a gerar parte ou toda a energia consumida através de rede de distribuição abatendo assim os custos equivalente do consumo de energia Elétrica.
  • Conforme disposto nos regulamentos da ANEEL, a micro e minigeração distribuída consistem na produção de energia elétrica a partir de pequenas centrais geradoras que utilizam fontes com base em energia hidráulica, solar, eólica, biomassa ou cogeração qualificada, conectadas à rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

 

Procedimentos de acesso

  1. Fazer a solicitação de acesso a Distribuidora de energia elétrica Local (Consumidor)
  2. Emitir o parecer de acesso (Distribuidora)
  3. Comprar/Instalar a geração de energia solar (Consumidor)
  4. Solicitar a vistoria (consumidor)
  5. Fazer a Vistoria (Distribuidora)
  6. Entregar Relatório de vistoria (Distribuidora)
  7. Regularizar eventuais aspecto técnicos (consumidor)
  8. Solicitar Aprovação de conexão (Consumidor)
  9. Aprovar o ponto de conexão e efetivar a conexão (Distribuidora)
  10. Pagar a diferença de medição (Consumidor)

 

Sistema de medição

Bidirecional

Necessidade de medição bidirecional que pode ser feita por dois medidores unidirecionais, um para aferir o consumo e outro a geração de energia.

Os custos relativos às adequações do sistema necessária para implantação do sistema de compensação de energia são de responsabilidade do acessante.

 

Contratação

Você gerando sua própria energia

É dispensável assinatura de contratos de uso e conexão na qualidade de central geradora ara a microgeração e a minigeração distribuída que participe do sistema de compensação de energia elétrica da distribuidora.

 

Sistema de compensação de energia elétrica

Injetando Energia na Rede

Esse sistema permite que a energia excedente gerada pela unidade consumidora com micro ou minigeração seja injetada na rede da distribuidora, a qual funcionará como uma bateria, armazenando esse excedente até o momento em que a unidade consumidora necessite de energia proveniente da distribuidora.

 

Na prática, se em um determinado ciclo de futuramente a energia injetada na rede pelo micro ou minigerador for maior que a consumida, o consumidor recebera um crédito em energia (kWh) na próxima fatura. Caso contrario, o consumidor pagará apenas a diferença entre a energia consumida e a gerada

 

Painel Solar – Policristalino ou Monocristalino

Entenda a Diferença entre os paineis fotovoltaico policristalino e monocristalino de energia solar.

PAINEL SOLAR FOTOVOLTAIXO DE SILÍCIO MONOCRISTALINO
A tecnologia monocristalina é a mais antiga e também uma das mais caras,
porém eles possuem a eficiência mais alta. Comercialmente falando, a
eficiência dos painéis 14 e 21%.
Os painéis solares de silício monocristalino (mono-Si) são facilmente
reconhecíveis apenas olhando de perto. Possuem uma cor uniforme,
indicando silício de alta pureza e cantos tipicamente arredondados como
você pode ver na imagem abaixo.
Eles São feitos a partir de um único cristal de silício ultrapuro, (ligotes
de silício de forma cilíndrica), este é fatiado como uma “salame” fazendo
assim lamina de silício individuais, que são então tratadas e transformadas
em células fotovoltaicas. Cada célula fotovoltaica circular tem seus 4 lados
cortados fora para otimizar o espaço disponível no painel solar monocristalino
e aproveitar melhor a área do painel. O painel solar é composto por uma
matriz de células fotovoltaicas em formação de serio e paralelo.

PAINEL SOLAR FOTOVOLTAICO DE SILÍCIO POLICRISTALINO
Ambos, mono e poli cristalino são feitos de silício, a principal diferença
entre as tecnologias é o método utilizado na fundição dos cristais. No
policristalino, os cristais de silício são fundidos em um bloco, desta forma
preservando a formação de múltiplos cristais (dai o nome de poli cristalino).
Quando este bloco é fatiado, é possível observar esta formação múltipla de
cristais. (Veja a foto da célula abaixo)
Uma vez fundido, eles são serrados em blocos quadrados e, em seguida,
fatiados em células assim como no monocristalino, mas é um pouco
mais fácil de produzir. Eles são semelhantes aos de um único cristal
(monocristalino) Tanto no desempenho como na degradação, exceto que as
células são ligeiramente menos eficiente.
Os primeiro paineis solares à base de silício policristalino, que também são
conhecidos como polisilicio (p-Si) e silício multicristalino (mc-Si) foram
introduzindos no mercado em 1981.